6/10/2013 16h11 Por FOX SPORTS

O Herói e o Vilão de Olympiacos 86 x 69 Pinheiros, pelo Mundial de Clubes

Time grego levou a melhor na reedição do confronto entre o campeão da Liga das Américas e o dono da taça da Euroliga. Spanoulis foi destaque positivo

A edição de reabertura do Mundial de Clubes de basquete, adormecido por 17 anos, sediada em Barueri, São Paulo, chegou ao fim neste domingo (06), com nova vitória do Olympiacos, da Grécia, sobre os brasileiros do Pinheiros – desta vez por 86 a 69. Os gringos ficaram com o caneco e o armador Vassilis Spanoulis recebeu o prêmio de MVP (melhor jogador) do campeonato. O FOXSports.com.br elege o destaque positivo e o negativo da partida. Confira:   

O Herói: Vassilis Spanoulis

O camisa 7 do Olympiacos não teve números como os de Shamell Stallworth, do Pinheiros, por exemplo, mas a cadência de jogo do carequinha salta aos olhos. Como um meia-armador clássico do futebol, o grego faz o que precisa fazer na hora certa, sem se cansar: no primeiro jogo, se poupou no tempo inicial e disparou a encestar bolas de três quando o time brasileiro ameaçou encostar. Com a vantagem em mãos neste domingo (06), ditou o ritmo da partida e decidiu o campeonato com 7 assistências.  

O Vilão: Os erros de ataque e defesa

Em certo momento do terceiro quarto, o jogo parecia de um ataque profissional contra uma defesa amadora: o Olympiacos colocou 15 pontos de frente com facilidade. Na primeira partida, o Pinheiros equilibrou o duelo de forma surpreendente e os jogadores deixaram a quadra falando em “acertar detalhes lá atrás” para voltarem melhores. Os erros do sistema de marcação voltaram a aparecer, contudo, bem como a afobação para chutar de três, identificada por Cláudio Mortari, treinador do time, na partida de ida. Não fosse isso e o clube paulista poderia ter dado ainda mais trabalho ao favoritíssimo adversário.   

Veja também: Messi morará em campo de futebol de luxo

Marica muda de nome para evitar piadas na Espanha

Alemães batem falta criativa e marcam gol incrível

Eurocopa de 2020 pode ter Brasil e Argentina